Menu Superior Horizontal

  • E
  • D
  • C
  • B
  • A

Acesse aqui!

Entre em contato pelo Facebook ou Twitter.

Assista aqui!!!

Assista a filmes históricos clicando aqui!!

Fichas monstro!!!

Faça o download das Fichas Monstro clicando na barra de menu!!

Fale com o Prof. Salviano Feitoza

Clique aqui e saiba informações importantes sobre o Prof. Salviano Feitoza

ARTIGOS

terça-feira, 24 de novembro de 2015

SERIADO UPE - 1º ANO - SOCIABILIDADE, SOCIALIZAÇÃO E CONTATOS SOCIAIS

Pessoal que está se preparando para o Sistema Seriado de Avaliação da Universidade de Pernambuco, nesta aula nos trataremos dos conceitos de sociabilidade, socialização e contatos sociais compreendendo como se relacionam com a vida em sociedade.



terça-feira, 17 de novembro de 2015

MINIDICIONÁRIO SOBRE GÊNERO

Eis o que significam alguns dos termos mencionados quando são tratadas as questões de gênero.
O primeiro passo para debater confiavelmente algum assunto é estar por dentro dele.






FONTE: Revista Galileu - ed. 292 - novembro 2015

domingo, 30 de agosto de 2015

ENEM - HISTÓRIA - GUERRA FRIA, CONTESTAÇÕES E REGINALDO ROSSI

O século XX é considerado como o século dos extremos, o século que, mesmo tendo cem anos, parece ter durado menos. Essa perspectiva relaciona-se ao fato de ter sido um período de intensas situações. Entre os acontecimentos que contribuíram para o século XX ter essa alcunha estão as guerras.

Só na primeira metade foram duas que foram registradas como mundiais. A partir da segunda metade (1945) foi iniciada a Guerra Fria, caracterizada pelo conflito principalmente ideológico que produziu algumas guerras dentre as quais destaca-se a guerra do Vietnã. Esta guerra movimentou muitas pessoas, tanto para guerrear quanto para contestar sua realização, sua continuidade.

Nessa contestação, destacaram-se jovens - os hippies - entre outras/os que evidenciaram a negação dos horrores da guerra e também o conflito de gerações.

Em 1967, o cantor Reginaldo Rossi gravou Mexerico dos Quadrados, que expõe questionamentos à ordem vigente que não aceitava as atitudes juvenis, que deixavam os cabelos crescerem, trajavam calças jeans e se recusavam a participar das maquinações de um mundo marcado pela barbárie.

Mostra para nós como a produção cultural sofre influências do contexto histórico, social no qual vive o/a artista.

Música é história.


#penseFORADACAIXA

MEXERICO DOS QUADRADOS

Seria bom que eles deixassem
De falar tanto da nossa geração
Seria bom que eles lembrassem
No tempo deles, quanta confusão

Ninguém tinha cabelo comprido
Mas em compensação eu nem sei por que
Fizeram duas guerras sem nexo
Enquanto que o meu mal é só dançar yê, yê, yê

Se uso a minha calça apertada
Isto não quer dizer que eu seja tantã
Talvez eu esteja com medo
Que me ponham na guerra do vietnã

O mundo será bem melhor
Quando todos eles entenderem que

É bom usar calça apertada
Usar cabelo grande e dançar yê, yê, yê

Usar a calça bem apertada
O cabelo bem grande e dançar yê, yê, yê

sábado, 29 de agosto de 2015

ENEM - HISTÓRIA - TROPICALISMO E CONTRADIÇÕES SOCIAIS BRASILEIRAS

O Tropicalismo foi o movimento político, artístico - cultural, enfim, que surgiu no Brasil em uma situação de questionamento acerca do que era o país, de tentar descobrir o que seríamos. Não se deve considerar o Tropicalismo como algo fechado pois buscou e dialogou com várias áreas, destacando o que se convencionou designar como indústria cultural. Há muita influência também da Semana de Arte Moderna e sua antropofagia.

Experimentalismo e exposição-denúncia de muitas das mazelas que a chamada modernização industrial trazia para o país podemos ver na produção tropicalista. Em PARQUE INDUSTRIAL, de Tom Zé, temos um desfile das contradições que tomavam contas das cidades que se tornavam grandes no Brasil. A industrialização é mostrada como arauto da salvação brasileira. A modernidade da cultura de massa informa, ao mesmo tempo, sobre a futilidade e o suposto desmoronamento dos valores morais e expunha a violência cotidiana através dos jornais populares.

Uma grande provocação.

Retocai o céu de anil
Bandeirolas no cordão
Grande festa em toda a nação.

Despertai com orações
O avanço industrial
Vem trazer nossa redenção.

Tem garota-propaganda
Aeromoça e ternura no cartaz,
Basta olhar na parede,
Minha alegria
Num instante se refaz

Pois temos o sorriso engarrafadão
Já vem pronto e tabelado
É somente requentar
E usar,
É somente requentar
E usar,
Porque é made, made, made, made in Brazil.
Porque é made, made, made, made in Brazil.

Retocai o céu de anil, ... ... ... etc.

A revista moralista
Traz uma lista dos pecados da vedete
E tem jornal popular que
Nunca se espreme
Porque pode derramar.

É um banco de sangue encadernado
Já vem pronto e tabelado,
É somente folhear e usar,
É somente folhear e usar.



terça-feira, 25 de agosto de 2015

ENEM - CORRUPÇÃO, RESPONSABILIZAÇÃO E ZECA BALEIRO

Um dos assuntos mais discutidos no Brasil neste ano é a corrupção e há grandes chances de ser tratada no ENEM. 

Uma forma de abordar o tema é começar definindo corrupção: usar o poder público para obter ou fornecer vantagens, sendo estas tanto interesses quanto dinheiro que, neste caso, por ser dinheiro público, oriundo das cobranças de impostos, configura-se crime contra a sociedade.

É muito comum não se perceber as contradições presentes nas reivindicações de punição contra corruptos/as. Muitos/as brasileiros/as nos orgulhamos de, sempre que necessário, conseguirmos "dar um jeito", o "jeitinho brasileiro". Muitas vezes esse "jeitinho" caracteriza-se pela resolução dos problemas através de artifícios ilegais ou imorais.

Usufruir do fato de conhecer alguém que possa "apagar" a multa recebida corretamente, oferecer uma troca de favores, pedir que o/a colega assine o nome para não levar falta na aula que não se quer assistir, oferecer um brinquedo novo para a criança se ela aumentar as notas no boletim escolar (nesse caso mostra-se para a criança uma forma de conseguir algo que precisa de esforço para superar dificuldades) são exemplos cotidianos, comuns que mostram a contradição entre ser contrário ao cenário político marcado por muita corrupção e, no dia a dia, cometer atos corruptos.

É fundamental que nos responsabilizemos pelos nossos atos. Não importa de qual partido se faça parte ou seja simpatizante. Não deve pender a balança da justiça para favorecer nenhum lado. O que deve-se atentar é para a indignação seletiva que toma conta das ruas e que parece que somos, cada um, um oásis de honestidade cercado por um deserto de desonestos/as.

RESPONSABILIZAÇÃO é a palavra que deve ser colocada em prática. POR TODAS/OS!

Zeca Baleiro pode nos ajudar a começar a pensar sobre o assunto.

FUNK DA LAMA

Tanto faz se é Ivete ou Shakira,
Tanto faz se é Sá, Rodrix ou Guarabira
Você vai ter que responder pelo que faz
Você vai ter que responder pelo que diz

Tanto faz se é pratão ou se é pelego
Tanto faz se é Pelé ou se é Diego
Você vai ter que responder pelo que faz
Você vai ter que responder pelo que diz

Bota a mão nas cadeiras
Vai até o chão com graça
A moral do chão não passa
Bota a mão nas cadeiras
Dança com malemolência
Bota a mão na consciência.

Vem cachorra, nem precisa de cama
O mundo tá atoladinho
O mundo tá atoladinho na lama

Vem cachorra, nem precisa de cama
O mundo tá atoladinho
O mundo tá atoladinho na lama

Tanto faz se é Demóstenes ou Palocci
Se é Fábio Melo ou Marcelo Rossi
Você vai ter que responder pelo que faz,
Você vai ter que responder pelo que diz

Tanto faz se Homem do Ano ou Mulher-Pera
Tanto faz se é Bolsonaro ou se é Gabeira
Você vai ter que responder pelo que faz
Você vai ter que responder pelo que diz

Bota a mão nas cadeiras
Vai ate o chão com graça
A moral do chão não passa
Bota a mão nas cadeiras
Dança com malemolência
Bota a mão na consciência

Vem cachorra, nem precisa de cama
O mundo tá atoladinho
O mundo tá atoladinho na lama









terça-feira, 7 de julho de 2015

O QUE JOGOS VORAZES PODE NOS DIZER SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL

Em tempos de clamores significativos contra e a favor da redução da maioridade penal, o filme JOGOS VORAZES pode nos dizer algumas coisas, afinal, a produção cultural de uma época é um espelho de suas contradições e afins.

A primeira é que não estamos tratando bem nossas crianças e jovens.  Não há uma política efetiva para a juventude brasileira, principalmente para a que reside nos bairros pobres (de periferia) ou pelas ruas das cidades. Quem é de família mais abastada já tem sua política para seus jovens, que inclui educação de qualidade, saúde, segurança, uma vida, enfim.

No filme esse ponto se vê a partir do futuro que é garantido para as crianças e jovens dos distritos: continuar trabalhando e vivendo do mesmo jeito, produzindo o que é necessário para a vida da Capital ou participar dos Jogos que garantem a morte de vinte três jovens. Apenas um/a vencerá.

 Metáfora interessante que pode ser verificada no Brasil através dos exemplos de pouquíssimos jovens de periferia que conseguem sobreviver em meios às péssimas condições de vida.

No filme, vence quem mata os/as concorrentes. Aqui o Estado mata quando não garante as condições ou mata através dos aparelhos repressivos.

Vence quem consegue sobreviver sem matar e ainda acredita que as outras pessoas também podem conseguir. Coroando a ideologia do liberalismo e a valorização do individualismo não percebem que são exceções que CONFIRMAM a regra: criança e jovem pobre (e negra/o) devem morrer.

Tanto na distopia de Jogos Vorazes quanto no Brasil no qual vivemos, não são as crianças nem os jovens que decidem o próprio futuro, mas são os/as adultos/as.

A reação de Katniss direciona contra ela a fúria da Capital. Aqui muitos/as crianças e jovens reagem buscando sobreviver e sendo violentas contra uma estrutura que as violenta desde que ela nasceu.

Focar apenas nas crianças e jovens que cometem os crimes é incorrer em erro e intensificar a barbárie que nos circunda. Não se trata de proteger quem comete crimes, mas de buscar soluções alternativas, uma vez que o encarceramento sem garantias de condições mínimas de saúde e sanitárias  (que é o padrão das instituições carcerárias brasileiras) já se mostrou ineficaz há tempos.

Se não repensarmos e realizarmos mudanças, a arena dos Jogos Vorazes vai se estender das periferias e favelas e, inevitavelmente, atingirá a Capital, metáfora interessante de cada um de nós no conforto de nossas precárias seguranças.

pense FORA DA CAIXA  ||  Super Sociologia







sábado, 4 de julho de 2015

A "NÊGA" DO JORNAL, EMICIDA E O EMPODERAMENTO QUE INCOMODA

A "NÊGA" DO JORNAL, EMICIDA E O EMPODERAMENTO QUE INCOMODA

Essa semana as redes sociais foram tomadas (mais uma vez) pela repercussão do racismo do vizinho, que xingou a apresentadora do jornal - o nacional, da globo - a rede.

O caso oferece mais um (de novo) exemplo do racismo que compõe a nossa sociedade, que compõe cada um de nós. Mas o racismo que foi para as redes sociais é só a culminância daquele que está em todas as relações cotidianas, desde as de trabalho, passando pelas televisivas e, principalmente nas amigáveis da mesa de bar, das festas, das rodas de conversa, das piadas contadas e sorridas.

Uma forma de entender os comentários racistas (além do óbvio racismo) diz respeito a um processo maior: o de empoderamento da população negra. Comecemos entendendo o que é empoderamento.

Empoderar pode ser entendido como fortalecer e, se formos estender, assumir o poder. Muitos grupos que historicamente não participavam de maneira tão ativa da vida política e mesmo cotidiana estão cada vez mais nas ruas e também nas instituições da política "oficial".

Mas também estão "aparecendo", indo além. Aqui a referência é para a população negra. Ao usar o termo "aparecendo" faz-se referência visual mesmo: é cada vez maior o número de pessoas que "assumem" o cabelo crespo, que deixam de lado as chapinhas, os alisamentos.

Ao fazerem isso trazem para si os olhares que não estão acostumados, os aperreios (culturalmente adquiridos) de verem, isso mesmo, VEREM negros e negras.

E com o aumento do poder financeiro de parte da população negra, além do acesso aos cursos universitários, temos profissionais muito competentes em cargos que antes era-lhes vedada a participação, "incomodando" quem sempre teve a possibilidade de ter acesso àqueles espaços.

Há uma espécie de "outrofobia" cada vez maior, cada vez mais praticada. Esse temor do/a outro/a é temor de mudança e nesse caso da Maria Julia Coutinho é o que se pode identificar.

Se formos pensar em um quadro mais apocalíptico ainda (para esses seres outrofóbicos, racistas) teríamos um temor de uma reação efetiva da população que está nas periferias, favelas, amargando as mazelas da humanidade turbinadas pelo sistema econômico.

"Nóiz quer ser dono do circo
Cansamos da vida de palhaço"

Trecho do recente clipe de Emicida nos dá um exemplo dessa possibilidade. Possibilidade temerosamente real - para os/as odiadores/as.

Boa Esperança
Emicida
 
Por mais que você corra, irmão
Pra sua guerra vão nem se lixar
Esse é o xis da questão
Já viu eles chorar pela cor do orixá?
E os camburão o que são?
Negreiros a retraficar
Favela ainda é senzala, Jão!
Bomba relógio prestes a estourar

O tempero do mar foi lágrima de preto
Papo reto como esqueletos de outro dialeto
Só desafeto, vida de inseto, imundo
Indenização? Fama de vagabundo
Nação sem teto, Angola, Keto, Congo, Soweto
A cor de Eto'o, maioria nos gueto
Monstro sequestro, capta-tês, rapta
Violência se adapta, um dia ela volta pu cêis
Tipo campos de concentração, prantos em vão
Quis vida digna, estigma, indignação
O trabalho liberta (ou não)
Com essa frase quase que os nazi, varre os judeu – extinção

Depressão no convés
Há quanto tempo nóiz se fode e tem que rir depois
Pique Jack-ass, mistério tipo lago Ness
Sério és, tema da faculdade em que não pode por os pés
Vocês sabem, eu sei
Que até Bin Laden é made in USA
Tempo doido onde a KKK, veste Obey (é quente memo)
Pode olhar num falei?

Aê, nessa equação, chata, polícia mata – Plow!
Médico salva? Não!
Por quê? Cor de ladrão
Desacato, invenção, maldosa intenção
Cabulosa inversão, jornal distorção
Meu sangue na mão dos radical cristão
Transcendental questão, não choca opinião
Silêncio e cara no chão, conhece?
Perseguição se esquece? Tanta agressão enlouquece
Vence o Datena com luto e audiência
Cura, baixa escolaridade com auto de resistência
Pois na era Cyber, cêis vai ler
Os livro que roubou nosso passado igual alzheimer, e vai ver
Que eu faço igual burkina faso
Nóiz quer ser dono do circo
Cansamos da vida de palhaço
É tipo Moisés e os Hebreus, pés no breu
Onde o inimigo é quem decide quando ofendeu
(Cê é loco meu!)
No veneno igual água e sódio (vai, vai, vai)
Vai vendo sem custódio
Aguarde cenas no próximo episódio
Cês diz que nosso pau é grande
Espera até ver nosso ódio

Por mais que você corra, irmão
Pra sua guerra vão nem se lixar
Esse é o xis da questão
Já viu eles chorar pela cor do orixá?
E os camburão o que são?
Negreiros a retraficar
Favela ainda é senzala, Jão
Bomba relógio prestes a estourar

pense FORA DA CAIXA  ||  Super Sociologia


O HOMEM DA CABEÇA DE PAPELÃO E O CONCEITO DE FATO SOCIAL DE ÉMILE DURKHEIM

A literatura pode nos ajudar muito a compreender nossa própria existência e mesmo alguns conceitos sociológicos.
Émile Durkheim é um dos quatro cavaleiros da Sociologia clássica e elaborou o conceito de FATO SOCIAL. As formas coletivas de sentir, de pensar e agir são FATOS SOCIAIS.
Entre eles podemos identificar desde o uso de determinadas roupas, passando pelas formas de acreditar na existência de forças sobrenaturais que regeriam nossas vidas até o idioma que falamos e através dele nos expressamos.
O conto O HOMEM DA CABEÇA DE PAPELÃO, de João do Rio, pode ser lido como uma magistral demonstração das formas coletivas que regem nossa vida e nos impelem a agir mesmo quando não estamos interessados ou querendo.
Podemos ampliar a reflexão para libertação do controle das formas de pensar. Pensar deve ser angustiante, mobilizador, deve criar o estranhamento que possibilita o PENSAR FORA DA CAIXA e, a partir daí, agir e sentir também.

pense FORA DA CAIXA  ||  Super Sociologia









quarta-feira, 1 de julho de 2015

BRAGA BOYS, EDUCAÇÃO CORPORAL E PRISÃO DOS CORPOS PARA EDUCAÇÃO DAS MENTES

Quando se fala em educação a imagem que se forma quase imediatamente é a de uma sala de aula com alguém falando e muita gente escutando (aparentemente). Ou de alguém lendo, escrevendo. Sempre sem movimento ou com movimentos reduzidíssimos.

Não se fala em educação corporal ou em educação que inclua o corpo como fonte de conhecimento, aprendizado, saberes. Nas instituições oficiais do suposto ensino, as aulas de educação física, afirma-se, cuidam dessa parte. Cabe uma possibilidade de reflexão aqui.

Há uma herança iluminista que tem em Descartes a separação entre o que se sente e o que se pensa. O corpo, a partir daquele momento histórico (e mais forte também), será colocado fora de cogitação como fonte de compreensão, de obtenção de algum conhecimento sobre o mundo e sobre si.

Resultados: percepção deficiente do mundo, da existência. Não é  sem razão pois quanto mais o corpo é reduzido em suas possibilidades, mais as mentes podem ser direcionadas.

Nessa conjuntura, especificamente no Brasil, onde a dança, os movimentos sensualizados e sensualizadores (no sentido de sentir que não é, obrigatoriamente, atrelado à prática de sexo) são parte da chamada cultura brasileira e, contraditoriamente são exaltados para festividades e diversão desconsiderados como caminho para conhecer.

Não se trata aqui da exaltação de danças que tornem mulheres objeto de consumo coisificado (sei que alguém pensou nisso quando leu ;) ) mas problematização do papel da dança na vida e na educação das pessoas.

Elvis Presley causou furor com seu movimento pélvico quando se apresentou nos anos 1950-60, despertando furor e fúria de quem se sentiu ultrajado por aqueles movimentos.

Pense: crianças movem-se e movem o mundo aprendendo como estar e ser nele. Mitos são encenados nas culturas afro e ameríndias com muita dança.

Quem que nunca foi tomado pela sensação de liberdade ao dançar tresloucadamente numa festa?

Fiquemos com os Braga Boys e seu hit e te desafio a conseguir não ter nenhuma vontade de sair da frente desta tela e se mexer.

Mexa-se FORA DA CAIXA || pense FORA DA CAIXA














quinta-feira, 25 de junho de 2015

segunda-feira, 15 de junho de 2015

ENEM - HISTÓRIA - RACISMO E JESUS NEGRO

Como visto em outras postagens, é fundamental, quando se está estudando História para o ENEM, que se busque identificar MUDANÇAS e PERMANÊNCIAS, SEMELHANÇAS e DIFERENÇAS entre um mesmo tema em diferentes tempos e espaços e no mesmo espaço em tempos diferentes.

Um tema rico para tal reflexão é o RACISMO. Pode-se entender o racismo como a prática de exclusão, de alguém ou de um grupo, justificada pela crença na existência de raças humanas e na hierarquização entre elas. No Brasil essa prática está muito ligada às populações afro-brasileiras.

É importante que se tenha em mente que o racismo se manifesta de maneiras explícitas e também de maneiras implícitas. As explícitas são auto explicativas mas as implícitas geralmente são vistas como "coisa da cabeça da/o negra/o" ou exagero.

Podemos chamar de "racismo simbólico" aquele que se reproduz sem que seja notado de maneira imediata e quando é exposto causa reações de incredulidade.

Vamos testar?

SE Jesus fosse negro, você (se você acredita nele) o amaria da mesma forma que afirma amar?

Se você, de início, reagiu pensando que Jesus nunca poderia ser negro, pense no motivo dessa reação e considere a localização geográfica dos acontecimentos. Poderia não ter a pele negra mas, muito provavelmente, não teria aquela pele tão clara como se vê em dezenas de filmes sobre a vida dele;

Este é apenas um exemplo de como o racismo pode tomar formas quase invisíveis.

Essa canção, SE JESUS FOSSE UM HOMEM DE COR, traz uma possibilidade de reflexão a partir da DESNATURALIZAÇÃO e do ESTRANHAMENTO, fundamentais para o desenvolvimento das outras habilidades e competências para a prova do ENEM.

Se Jesus fosse um homem de cor

GLORIA, GLORIA ALELUIA
O MEU CRISTO NÃO TEM COR
GLÓRIA, GLÓRIA ALELUIA
GLÓRIA, GLÓRIA, PAZ E AMOR

talvez ninguém tenha pensado o que pensei
durante a noite que passou
ou se pensou, ficou calado pra não ver
o mundo inteiro reagir

a minha fé não modifica e nem se abala
mas eu não posso me calar
minha pergunta necessita uma resposta
será que alguém me pode dar?

Você teria por ele esse mesmo amor
se jesus fosse um homem de cor?

GLORIA, GLORIA ALELUIA
O MEU CRISTO NÃO TEM COR...

talvez ninguém tenha passado o que eu passei
que os meus problemas são de cor
eu quis pintar o meu céu azul de amor e paz
e o mundo inteiro não deixou

a minha fé não modifica e nem se abala
mas eu não posso me calar
minha pergunta necessita uma resposta
será que alguém me pode dar?


sexta-feira, 5 de junho de 2015

ENEM | SOCIOLOGIA - IDEOLOGIA, MARX E ÓCULOS ESCUROS

Sabe óculos? Existe uma grande variedade deles para todas as situações: óculos de sol, óculos para quem tem dificuldade para enxergar o que está longe; óculos para quem tem dificuldade de enxergar o que está perto; óculos para quem tem problemas em enxergar de longe e de perto; óculos escuros, óculos de sol etc.

Assim como os óculos , as ideologias são variadas e atendem aos mais diversos interesses e necessidades. Cada óculos serve a uma determinada finalidade e as ideologias também.

Elas garantem a manutenção da ordem social assim como podem ser os impulsionadoras das mais intensas transformações sociais, políticas, culturais etc.

Saiba mais nessa aula sobre ideologia e se inscreva no nosso canal, curta nossa página feicebuquiana.

https://www.facebook.com/supersupersociologia

#discordiaSEMPRE | #SuperSociologia |


segunda-feira, 1 de junho de 2015

ENEM - HISTÓRIA DO BRASIL - REGIME CIVIL-MILITAR E ARTISTAS CENSURADAS/OS

É fundamental que ao estudar o período de governo civil-militar brasileiro se tenha em mente que este foi caracterizado por ser uma ditadura.

Ditaduras, por sua vez, se caracterizam pelo fato de que quem está no comando das instituições políticas não está lá por vontade geral da população.

Ditaduras não admitem perguntas, problematizações. Toda oposição deve ser destruída, silenciada. As formas de reação contra um regime ditatorial vão desde o conflito direto contra os aparelhos repressores do Estado (polícia, forças militares) até o que se pode chamar de resistência sub-reptícia (aquela que se dá "por baixo dos panos", "nas intocas").

Esse tipo de resistência geralmente é desempenhado de maneira  bem interessante por artistas que, usando de malabarismos de linguagem (musical, escrita, corporal etc) , criticam a ordem autoritária.

Foi realizado em 1973 um festival de música, o Phono 73, com o objetivo de mostrar que essa gravadora não era um "reduto de comunistas" como se afirmava. Resultado: um dos registros mais contundentes da ditadura agindo contra as/os artistas - o microfone de Chico Buarque sendo cortado enquanto ele balbuciava Cálice, música considerada subversiva pelo regime.

(o som parece desvinculado das imagens em alguns momentos. O motivo: o que se escuta é o registro da mesa de som, que continuou gravando mesmo depois do microfone ter sido cortado.

#penseFORADACAIXA | #SuperSociologia



terça-feira, 12 de maio de 2015

ENEM | HISTÓRIA - O CABUETA, A DITADURA CIVIL-MILITAR, BAIANO E OS NOVOS CAETANOS

Quem estuda História deve ter sempre em mente que as ações humanas no tempo incluem mais do que decretos, leis, ações individuais de quem se destacou governando ou sendo autoritário/a. Os detalhes do cotidiano também compõe a narrativa histórica.

Assim, quando tratamos do período da Ditadura civil-militar, é importante compreende-la em suas nuances do dia a dia, naquilo que os livros não mencionam e o ato de delatar é uma dessas nuances.

Durante os mais de vinte anos de regime autoritário, muita delação foi feita. Muitas pessoas entregaram outras tendo em vista a busca pela própria sobrevivência (sob tortura) ou mesmo como forma de se vingar de um desafeto.

A cabuetagem correu solta. Desde acusações provadas depois como falsas (como a que envolveu o falecido Wilson Simonal) até casos, de início, ainda não provados (há rumores que Roberto Carlos teria sido um desses delatores).

O grupo Baiano e os Novos Caetanos (uma sátira ao cantor Caetano Veloso e ao grupo de artistas baianos, muito sucesso na época) produziu uma canção sobre a cabuetagem que fez muito sucesso na época e que pode ser acompanhada abaixo.

#penseFORADACAIXA   |   #SuperSociologia

https://www.youtube.com/watch?v=HhUzwECoZqU

VÔ BATÊ PÁ TU

Falou, é isso aí malandro
Tem que se ligar aí nesse som, tá sabendo...
Eu vou bate pá tú, pá tu bate pá tua patota

Vou batê pá tu bate pá tú
Pá tú batê
Vô batê pá tú, batê pá tú
Pá tú batê
Vô batê pá tú, batê pá tú
Pá tú batê
Vô batê pá tú, batê pá tú
Pá tú batê

Pá amanhã a pá não me dizer
Que eu não bati pá tú
Pá tú pode batê

O caso é esse
Dizem que falam que não sei o que
Tá pá pintá ou tá pá acontecer
É papo de altas transações

Deduração um cara louco
Que dançou com tudo
Entregação com dedo de veludo
Com quem não tenho grandes ligações

Vou batê pá tu bate pá tú
Pá tú batê
Vô batê pá tú, batê pá tú
Pá tú batê
Vô batê pá tú, batê pá tú
Pá tú batê
Vô batê pá tú, batê pá tú
Pá tú batê

Pá amanhã a pá não me dizer
Que eu não bati pá tú
Pá tú pode batê

O caso é esse
Dizem que falam que não sei o que
Tá pá pintá ou tá pá acontecer
É papo de altas transações

Deduração, um cara louco
Que dançou com tudo
Entregação com dedo de veludo
Com quem não tenho grandes ligações

Tá falado, tu tem que se ligar....
É isso aí, falou

Vou batê pá tu bate pá tú
Pá tú batê
Vô batê pá tú, batê pá tú
Pá tú batê
Vô batê pá tú, batê pá tú
Pá tú batê
Vô batê pá tú, batê pá tú
Pá tú batê

Pá amanhã a pá não me dizer
Que eu não bati pá tú
Pá tú pode batê

O caso é esse
Dizem que falam que não sei o que
Tá pá pintá ou tá pá acontecer
É papo de altas transações

Deduração um cara louco
Que dançou com tudo
Entregação com dedo de veludo
Com quem não tenho grandes ligações



segunda-feira, 27 de abril de 2015

ENEM - HISTÓRIA - REFORMAS RELIGIOSAS E COMÉRCIO RELIGIOSO

Você que se prepara para o ENEM, deve dominar a habilidade de  identificar mudanças e permanências nos acontecimentos históricos.

Essa postagem trata das reformas religiosas (protestante e católica - esta também chamada de contrarreforma) e, ao realizarmos o olhar em perspectiva, podemos comparar a situação da igreja católica nos idos do século 16 e a situação de alguns grupos religiosos que praticam venda de objetos sacralizados no século 21.

O raciocínio histórico não deve julgar o período das reformas e o que aconteceu nele com os juízos de valor deste século sob o perigo de cometer anacronismo (usar a forma de pensar de uma época para analisar / julgar outra).

Aplicando a habilidade para as reformas, uma forma seria essa:

1. semelhanças: a venda de objetos sacralizados com a promessa de que trarão benefícios, curarão doenças, protegerão de algum mal; a população menos abastada é quem participava mais efetivamente dessa relação de troca;

2. diferenças: no século 16, os grupos que foram organizados a partir das reformas não tinham possibilidades maiores de influenciar a vida política pelas vias institucionais e, no século 21, há (no caso do Brasil), inclusive, uma bancada religiosa no Congresso nacional que é decisiva em muitas questões.

A canção "Orai e Vigiai", na voz de Falcão, nos fornece uma série de elementos que podemos identificar como semelhanças e diferenças entre os dois momentos no tempo.

pense FORA DA CAIXA

Super Sociologia







domingo, 26 de abril de 2015

ENEM - CIDADANIA - REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL E PROCESSO HISTÓRICO

Quando se trata da redução da maioridade penal e como ela pode aparecer no ENEM, é importante que você tenha em mente que ela pode ser abordada no eixo

- Formas de organização social, movimentos sociais, pensamento político e ação do Estado

No tópico específico:

- A luta pela conquista de direitos pelos cidadãos: direitos civis, humanos, políticos e sociais. Direitos sociais nas constituições brasileiras. Políticas afirmativas.

Os direitos devem ser entendidos como fruto de reivindicações historicamente localizadas. Cada época terá as reivindicações dos grupos que nela vivem e tais reivindicações não devem, de início, ser analisadas como justas ou não, mas entendidas no contexto que as produziu.

A sociedade brasileira deu atenção específica - e mais cuidadosa - para crianças e adolescentes apenas com a lei federal 8.069, que cria o Estatuto da Criança e do Adolescente. Foi só a partir dali que a juventude no Brasil passou a ser sujeito de direitos e TAMBÉM DE DEVERES (marca para lembrar que nem só de direitos se vive em uma sociedade).

O Estado, a partir daquele momento, passa a ser responsável absoluto por garantir desenvolvimentos físico, moral, mental e social de acordo com os princípios, marcados na Constituição, da liberdade e da dignidade, preparando para a vida adulta na sociedade.

Sendo o Estado responsável por garantir esses desenvolvimentos, cabe refletir: se ele garantisse EFETIVAMENTE teríamos jovens infratoras/es?

Quem comete um crime tem história, independente do crime cometido. Arnaldo Antunes nos diz isso na canção abaixo.

pense FORA DA CAIXA

Super Sociologia


sábado, 25 de abril de 2015

ENEM | SOCIOLOGIA - APOCALIPSE ZUMBI E O CONCEITO DE ANOMIA

Já pensou viver em um mundo no qual sua vida estivesse o tempo todo em risco?

Um mundo no qual matar alguém que seja uma ameaça para sua vida - ou que pareça uma ameaça - seja algo que não te dê remorsos?

Pois bem, esse mundo é um mundo anômico, no qual as formas coletivas de sentir, pensar e agir, historicamente estabelecidas, não respondem aos desafios da existência.

Esse é o mundo do apocalipse zumbi. Nesta aula, usaremos este mundo para entender melhor o conceito de anomia de Durkheim.

‪#‎SuperSociologia‬ | ‪#‎penseFORADACAIXA‬





quarta-feira, 22 de abril de 2015

ENEM - HISTÓRIA - PERÍODO DEMOCRÁTICO E A CANÇÃO DO SUBDESENVOLVIDO


Um dos períodos mais importantes na história da república brasileira diz respeito aos anos que vão do fim da Era Vargas, 1946, até o momento do golpe civil-militar de 1964.

Marcado pela efervescência cultural, política, cidadã mesmo, muito se pensou, naquele momento, em um projeto para o país.

Do nacionalismo trabalhista de Vargas, passando pelo desenvolvimentismo desnacionalizador de JK e as possíveis possibilidades de reformas de base de João Goulart, a ordem daqueles dias era problematizar, questionar mesmo.

E um dos questionamentos passava pela posição que o país ocupava em relação ao desenvolvimento. Historicamente produtor de matérias primas agrícolas para atender ao interesse das chamadas metrópoles e subserviente culturalmente, buscava-se autonomia, uma "cultura brasileira" (com todos os problemas dessa definição).

Fonte desse período, a Canção do Subdesenvolvido, faz uma viagem pelas várias fases de exploração do Brasil - com direito a um gênero musical para cada período.

O refrão cola na mente:
"Somos um país subdesenvolvido, subdesenvolvido, subdesenvolvido, subdesenvolvido..."

Canção do Subdesenvolvido
Carlos Lyra

O Brasil é uma terra de amores
Alcatifada de flores
Onde a brisa fala amores
Em lindas tardes de abril
Correi pras bandas do sul
Debaixo de um céu de anil
Encontrareis um gigante deitado

Santa Cruz...hoje o Brasil
Mas um dia o gigante despertou
Deixou de ser gigante adormecido
E dele um anão se levantou
Era um país subdesenvolvido
Subdesenvolvido, subdesenvolvido, etc. (refrão)

E passado o período colonial
O país passou a ser um bom quintal
E depois de dar as contas a Portugal
Instaurou-se o latifúndio nacional, ai!
Subdesenvolvido, subdesenvolvido (refrão)

Então o bravo povo brasileiro
Em perigos e guerras esforçado
Mas que prometia a força humana
Plantou couve, colheu banana..
Bravo esforço do povo brasileiro
Mas não vi o capital lá do estrangeiro
Subdesenvolvido, subdesenvolvido... etc. (refrão)

As nações do mundo para cá mandaram
Os seus capitais tão "desinteressados"
As nações, coitadas, queriam ajudar
E aquela "Ilha Velha" não roubou ninguém

País de pouca terra, só nos fez um bem
Um "big" bem, un "big" bem, bom, bem, bom
Nos deu luz, ah! Tirou ouro, oh!
Nos deu trem, ahhh! Mas levou o nosso tesouro
Subdesenvolvido, subdesenvolvido... etc. (refrão)

Mas data houve que se acabaram
Os tempos duros e sofridos
Pois um dia aqui chegaram os capitais dos..
Paises amigos
País amigo desenvolvido
País amigo, país amigo

Amigo do subdesenvolvido
País amigo, país amigo
E nossos amigos americanos
Com muita fé, com muita fé
Nos deram dinheiro e nós plantamos
Só café!
É uma terra em que plantando tudo dá
Pode se plantar tudo que quiser
Mas eles resolveram que nós iríamos plantar
SÓ CAFÉ! SÓ CAFÉ!

Bento que bento é o frade - frade!
Na boca do forno - forno!
Tirai um bolo - bolo!
Fareis tudo que seu mestre mandar?
Faremos todos, faremos todos...

Começaram a nos vender e nos comprar
Comprar borracha - vender pneu
Comprar madeira - vender navio
Pra nossa vela - vender pavio
Só mandaram o que sobrou de lá
Matéria plástica,
Que entusiástica
Que coisa elástica,
Que coisa drástica
Rock-balada, filme de mocinho
Ar refrigerado e chiclet de bola
E coca-cola...!
Subdesenvolvido, subdesenvolvido... etc. (refrão)

O povo brasileiro tem personalidade
Não se impressiona com facilidade
Embora pense como americano
Embora dance como americano
Embora cante como americano
Lá, lá, la, la, la, la
Êh, êh, meu boi
Êh, roçado bão
O meior do meu sertão, thu, thu, thu
Comeram o boi...

O povo brasileiro embora pense, dance e cante
como americano
Não come como americano
Não bebe como americano
Vive menos, sofre mais
Isso é muito importante
Muito mais do que importante
Pois difere os brasileiros dos demais
Personalidade, personalidade
Personalidade sem igual
Porém... subdesenvolvida, subdesenvolvida
E essa é que é a vida nacional

pense FORA DA CAIXA


terça-feira, 21 de abril de 2015

ENEM - HISTÓRIA - GOLPE DE 1930, GILBERTO GIL E A LUTA CONTRA A LATA


Entre os conteúdos de História para o ENEM, podemos listar o século XX, a República brasileira são presenças quase que 100% certas.

Entre os conteúdos de República do Brasil, a Era Vargas aparece vez em sempre.

É fundamental lembrar que Vargas assumiu a presidência do país sem ser eleito pelo voto popular. Ele deu um golpe mesmo, uma vez que havia sido derrotado nas eleições pouco antes.

Mas deve-se entender o golpe de Vargas também em um contexto de transformação das forças produtivas que estava em curso no Brasil.

A música de Gilberto Gil, A luta conta a lata ou a falência do café, narra essa situação magistralmente. Nela encontramos o barão do café que resiste, o crescimento do proletariado, a industrialização avançando pelos "quintais do mundo" e a guerra contra a mudança (na ordem política que vem com a mudança econômica).

Escute, entenda, problematize.

pense FORA DA CAIXA

A LUTA CONTRA A LATA ou A FALÊNCIA DO CAFÉ

Alô, mulatas! Alô, alô, mulatas!
O barulho que vocês estão ouvindo é um barulho de latas!
De latas! Eu disse: "Latas! Latas!"

O exército de latas mil do inimigo
Tomou de assalto as prateleiras e os balcões
Em nome das plebéias chaminés plantadas
Em nossos quintais

Palavras proferidas por um velho dono
De terras roxas de uma vasta região
Em nome das grã-finas tradições plantadas
Em seu coração

(Café! Café! Café! Café!)

Chaminés plantadas nos quintais do mundo
As latas tomam conta dos balcões
Navios de café calafetados
Já não passeiam portos por ai

Rasgados velhos sacos de aninhagem
A grã-finagem limpa seus brasões
Protege com seus sacos de aninhagem
Velha linhagem de quatrocentões

Os sacos de aninhagem já não dão
A queima das fazendas também não
As latas tomam conta do balcão
Vivemos dias de rebelião

Enlate o seu café queimado
Enlate o seu café solúvel
Enlate o seu café soçaite
Enlate os restos do barão

A lata luta com mais forças
Adeus, elite do café
Enlate o seu café solúvel
Enquanto dá pé


Super Sociologia




sábado, 18 de abril de 2015

REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL - outros elementos para tratar do tema

Tratar da redução da maioridade penal é enveredar por caminhos extremos e o  objetivo aqui é introduzir elementos que não aparecem na maior parte das conversas acerca do tema, é apontar possibilidades de se pensar o assunto sem tanta emoção, daquela que atrapalha a tomada de decisões. Para isso, podemos começar inserindo a questão de direitos.

Há várias definições do que sejam direitos. Uma delas, que servirá ao nosso objetivo, é de que um direito é aquilo que é mais adequado para uma pessoa e,  considerando que esta viva em sociedade, por isso, deve ser bom também para a coletividade.

Podemos enumerar, para efeitos didáticos, os direitos em: naturais, civis, políticos, sociais e humanos. Há quem cite também os direitos econômicos.

Comecemos com os direitos naturais: são aqueles que temos garantidos logo que nascemos. Direito à vida, à segurança, à liberdade e a buscar a felicidade.

O nascimento não garante a manutenção da vida, logo, é fundamental que se tenha segurança (sanitária, alimentar, hospitalar, escolar – para se desenvolver intelectual e fisicamente;  espiritual – para se inserir em um grupo religioso ou ateísta ou qualquer outro) que, por sua vez, tornará possível o exercício da liberdade para ir em busca da própria felicidade que, sendo otimista com o processo de socialização, deverá ser também a felicidade coletiva.

Pois bem, como se nota, os direitos naturais contribuem bastante para o pleno desenvolvimento individual e coletivo e a sua relação com a redução da maioridade penal passa pela pergunta:

Deve-se cobrar de alguém – um/a jovem – comportamentos morais, que são parte de um processo extenso de socialização, quando as condições fundamentais para tal socialização não só não foram garantidas em sua plenitude como, em alguns casos, foram extraídas arbitrariamente?

Desnaturalize o social, estranhe o cultural. Imagine sociologicamente.


Pense FORA DA CAIXA.







segunda-feira, 23 de março de 2015

ENEM - HISTÓRIA - Calypso e as Fontes para o estudo das ações humanas no tempo e espaço

Você, estudante que se prepara para a prova do ENEM, deve ter em mente que tudo que for produzido pela ação/pensamento humano é cultura, tanto material quanto imaterial.

A partir dessa perspectiva podemos enumerar, para efeitos didáticos, as fontes em:

1. primárias: são as fontes que, ao serem estudadas, permitem entender parte da existência de quem as produziu individual ou coletivamente. Exemplo: correspondências, registros de leis, diários;

2. secundárias: são todas as fontes que foram produzidas a partir da análise, da compreensão, do entendimento de fontes primárias. Exemplo: um livro que trate da história da Grécia e que se baseou no livro História, de Heródoto;

3. terciárias: você estará diante de uma fonte terciária quando identificar que ela reúne tanto fontes secundárias quanto primárias. Exemplo: uma lista de livros sobre determinado tema e que contenha os dois primeiros tipos de fonte citados; a internet também pode ser entendida como fonte terciária.

A música "Diário", cantada pela banda Cia do Calypso, mostra uma fonte primária na qual estão registrados os momentos importantes da vida do "eu lírico" da canção.

Ela quer se livrar das "lembranças que fazem chorar" e para tanto afirma, decidida, que vai arrancar as páginas que são a lembrança física, material da emoção boa que ela sentiu em outro momento.

E você, onde ficam registradas suas lembranças?

pense FORA DA CAIXA



Meu Diário
Companhia do Calypso

Vou arrancar do meu diário
As folhas que escrevi falando de você
Vou devolver a sua foto pra não olhar pra te
esquecer
Eu vou tirar você de mim,
ou nas suas cartas de amor vou dar um fim
Se acabou pra que guardar
lembranças suas que me fazem chorar

Vou arrancar do meu diário
As folhas que escrevi falando de você
Vou devolver a sua foto pra não olhar pra te
esquecer
Eu vou tirar você de mim,
ou nas suas cartas de amor vou dar um fim
Se acabou pra que guardar
lembranças suas que me fazem chorar

Decidi tirar você da minha vida
Não tem volta, é pra valer
Tô decidida

Decidi tirar você da minha vida
Não tem volta, é pra valer
Tô decidida

Vou devolver a sua foto pra não olhar pra te
esquecer
Eu vou tirar você de mim,
ou nas suas cartas de amor vou dar um fim
Se acabou pra que guardar
lembranças suas que me fazem chorar

Decidi tirar você da minha vida
Não tem volta, é pra valer
Tô decidida

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

ENEM - FILOSOFIA & SOCIOLOGIA: Direitos, Deveres, Democracia e Bob Marley

O/A estudante que se prepara para o ENEM deve ter em mente que uma questão certa nas provas diz respeito ao tema direitos e, por extensão, deveres e suas relações com o regime democrático.
Você que se prepara para o ENEM, tenha em mente que direitos não são concessões ou seja, não são dados de bom grado, pela boa vontade das autoridades constituídas.
Direitos são fruto de conquistas, de lutas, de reivindicações e nesse caminho muitas pessoas foram silenciadas ao buscarem a ampliação e até mesmo a melhora das condições de vida e trabalho.
Compreenda também que NÃO EXISTE DIREITO ETERNO. Sempre há possibilidades de direitos conseguidos serem retirados, seja por negociação, seja por definições arbitrárias (caso de regimes ditatoriais).
Não se pode deixar de lado que os direitos só são usufruídos por causa do cumprimento de deveres. Não cumprir com deveres é agir indiretamente contra a democracia - que não é feita apenas de direitos.
Quando não se concorda com deveres determinados o que se deve fazer é reivindicar sua mudança e não deixar de cumpri-los.
A canção Get up, Stand up, de Bob Marley aborda o principal fundamento da democracia: a possibilidade de reivindicar e a obrigação de não deixar de fazê-lo.

pense FORA DA CAIXA



segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

RELAÇÕES ESPAÇO-TEMPO NO ESTUDO DE HISTÓRIA PARA O ENEM

Ao estudar História para o ENEM, deve-se ter em mente a superação de nomes e datas e desenvolver a habilidade de relacionar fatos, situá-los em contextos que são determinados temporal e espacialmente. 



Exemplo: ao tratarmos do tema VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES deve-se:

1. IDENTIFICAR O TEMPO - ano de 2015 e no final do século XIX

2. SITUAR OS LOCAIS - pode ser o mesmo local nos períodos de tempo citados ou locais diferentes

3. IDENTIFICAR as semelhanças (se houver) e as diferenças (geralmente há)

4. IDENTIFICAR as mudanças e permanências

5. COMPREENDER os motivos de manutenção e mudança

6. SEMPRE PROBLEMATIZAR o conhecimento adquirido pois os fatos não mudam mas o olhar para eles, sim

Pense FORA DA CAIXA


sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

SOBRE AS RECENTES REBELIÕES EM PENITENCIÁRIAS DE PERNAMBUCO

As recentes rebeliões de detentos no Complexo do Curado e na penitenciária Barreto Campelo, em Pernambuco, reacenderam discursos de vingança contra encarcerados.

Não se para, entretanto, para pensar nas condições em que são lançadas as pessoas que cometem crimes e que, se o objetivo da prisão era gerar reflexão acerca do que foi feito e assim "se ressocializar", nada disso é conseguido.

Parece, na cabeça e na fala de quem invoca a violência contra as/os encarceradas/os, que estas/es são naturalmente ruins, perversos e nada mudará a "natureza" dessas pessoas.

Amplie seu pensar: NINGUÉM NASCE CRIMINOSA/O! O que se afirma crime em uma sociedade é parte do complexo moral historicamente criado para dar coesão ao convívio social - ou seja: é o que foi estabelecido para garantir que a vida em sociedade seja segura para todas/os. (Há muito para se pensar aqui, assunto para próximas postagens)

Para entender ainda mais: afirmar que aquelas pessoas são "naturalmente" criminosas é afirmar algo do tipo: um criminoso macho copulou com uma criminosa fêmea e desse ato nasceu um filhote criminoso que desde a mais tenra idade vai cometer crimes pois está na sua "natureza", assim como um gato mia e um cachorro late.

Sociologicamente equivocado esse tipo de pensamento.

Convido você a assistir esse trecho de um documentário sobre o caso do ônibus 174 em que são mostradas as condições nas quais se "vive" nas cadeias e penitenciárias da maior parte do Brasil.

Nessas condições, fica a pergunta: por que não se revoltar?

pense FORA DA CAIXA com o professor Salviano Feitoza

Curta a página e receba as atualizações

pense FORA DA CAIXA no Facebook









terça-feira, 20 de janeiro de 2015

PENA DE MORTE - A CULPA É DE QUEM?

Nos últimos dias, o anúncio da pena capital contra um brasileiro no, aparentemente distante, país da Indonésia tomou conta tanto dos noticiários quanto de muitas conversas pelas filas das casas lotéricas, mercados e, claro, mesas de bar.

O código de Hamurabi - considerado uma das mais antigas compilações de leis da história da humanidade -  é bem lembrado nessas horas pois a frase "olho por olho, dente por dente", invocada para tratar de punições "rigorosas" contra crimes que chamam atenção, seja pela crueldade, seja pelo alarde da mídia, vez ou outra é escutada.

O que se deve considerar é que a lei de talião, como é mais conhecida, não é bem uma lei, mas um princípio, o da equivalência da pena em relação ao crime cometido, ou seja, a punição tem que fazer jus (justiça) ao que desestabilizou a "harmonia" social.

A equivalência da pena com o crime cometido é uma das mais antigas questões do Direito.

Pois bem, entendido isso é importante considerar que qualquer punição trará sempre o seguinte problema: "quem garante que dois anos de reclusão fazem justiça ao fato de ter sido roubado um carro? E, por que não, uma semana?" É que não há como saber sem dúvidas ou questionamentos.

Aí acrescentamos: "quem matou tem que ser morta/o pra que se faça justiça!"  E podemos perguntar: "E quem tirou mais de uma vida? É possível ser morta/o mais de uma vez?"

Não se apresse a dizer que se está defendendo criminosas/os. Não é isso! O que se busca chamar atenção aqui é para o fato de que se está, mais uma vez, atacando a "doença" e não evitando que "se adoeça".

Defende-se que se mate o traficante pois as drogas "mataram muitas famílias". Aqui se pode chamar atenção para o fato de que se "luta" dessa forma há mais de uma década e, parece, que o mercado das drogas ilícitas não cessou de crescer. Será que não passou da hora de repensar essa tática?

Enquanto as ações contra crimes cometidos não levarem em conta as causas dos crimes e debates necessários sobre a natureza do que se chama ato criminoso, estaremos nos vingando e não fazendo justiça.

A canção traz uma pergunta que, se for pensada em profundidade, pode ampliar o debate.

pense FORA DA CAIXA com o professor Salviano Feitoza

Curta a página e receba as atualizações

pense FORA DA CAIXA no Facebook






sábado, 17 de janeiro de 2015

NÃO MATE O MENSAGEIRO - SOBRE AS NOTAS ZERO NA REDAÇÃO DO ENEM 2014



Com publicação do resultado do exame nacional do ensino médio - 2014 um burburinho tomou conta das redes sociais e do cotidiano da comunidade escolar: mais de meio milhão de redações receberam nota zero.

É importante considerar que esse número deve ser lido em "condições ideais de temperatura e pressão", ou seja, sem erros no processo correcional. Sendo assim, podemos seguir adiante.

Segundo o ministro da educação "O tema agora, publicidade infantil, não é um tema que teve um grande processo de discussão como teve o de 2013" (lei seca).

A partir dessa fala, podemos identificar um problema: a colocação da “grande mídia” como responsável pela formação de estudantes do país (altamente questionável, mas existente).

Pensemos: o que mais esse número pode nos dizer sobre a educação brasileira?

Que talvez já tenha passado da hora de realizar uma mudança no paradigma educacional do Brasil.

Há tempos há uma valorização das disciplinas de língua portuguesa e das ciências numéricas (física, química etc.) com destaque para a matemática.

Não se defende aqui a exclusão de nenhuma dessas, mas sim uma problematização: com tanto resultado abaixo do que se espera, não está na hora de fazer as coisas diferente?

Não há culpad@s por tantas notas zero no país. Deve-se buscar ver em perspectiva a questão e essa visão vai identificar uma série de fatores sobre esse resultado.

Fatores que vão desde o valor do salário que se paga para professor@s no país, passando pela própria formação destas/es, além da própria vida pessoal de centenas de estudantes - e de professor@s também.

Repete-se: não devemos matar o mensageiro e sim escutar o que ele tem a dizer.

A canção abaixo pode ser um ponto de partida acerca dos desafios da educação brasileira.

pense FORA DA CAIXA com o prof.Salviano Feitoza

Curta a página e receba as atualizações