Menu Superior Horizontal

  • E
  • D
  • C
  • B
  • A

Acesse aqui!

Entre em contato pelo Facebook ou Twitter.

Assista aqui!!!

Assista a filmes históricos clicando aqui!!

Fichas monstro!!!

Faça o download das Fichas Monstro clicando na barra de menu!!

Fale com o Prof. Salviano Feitoza

Clique aqui e saiba informações importantes sobre o Prof. Salviano Feitoza

ARTIGOS

domingo, 26 de janeiro de 2014

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS ROLEZINHOS - 2

A recente onda de reuniões de jovens, adolescentes, púberes em shoppings de várias cidades do país gerando alvoroço e reações desde as mais passivas até as mais agressivas, chama atenção menos pelas repercussões e mais por representarem uma série de aspectos que diz respeito a um ponto: tratamos muito mal nossas crianças e jovens. Isso mesmo: nossa sociedade e, mais amplamente, nossa civilização trata seus - nossos/as - jovens descuidadamente e mesmo violentamente. Consideremos os seguintes aspectos para reflexão e posterior debate:

1. NÃO SÃO MARGINAIS: quando lemos ou ouvimos a palavra marginais, o pensamento é quase automático na geração da imagem de alguém armada/o com faca ou qualquer objeto perfurocortante ou ainda com uma arma de fogo apontada para cabeça de um cidadão/ã trabalhador/a. São, na maioria, jovens na chamada pré-adolescência e adolescência que decidiram ir ao shopping como programa de final de semana de muita/os nessa mesma faixa etária e pessoas acima dessa faixa também. Se vamos insistir no uso do termo marginal, que o façamos entendendo que se refere a jovens que estão A MARGEM daquilo que é de direito geral: ir e vir, também conhecido como liberdade de locomoção. Consideremos também que se queremos mudar a percepção de algo, devemos mudar a forma com a qual nos referimos a esse algo, afinal, as palavras têm força e ideologia embutidas;

2. NÃO ESTÃO ALI PARA ROUBAR: o medo maior da civilização ocidental, a expropriação da propriedade privada foi logo invocado e trazido a fala de muitas pessoas. Temia-se - teme-se -  o roubo do que se trabalhou muito para ter e a presença dessa parcela da juventude nos shoppings, que são um bom exemplo de templo de oferta de pré propriedades privadas, ativou o alerta vermelho de muitas pessoas que estavam ali para adquirir um bem ou apenas cobiçá-lo.

Alguém, com certeza, afirmará: - mas vi gente sendo assaltada e tem jovem ali que vai para roubar mesmo. Pois bem, façamos o seguinte questionamento: há unanimidade em toda manifestação social? Provavelmente não. Todas as pessoas que participam de movimentos são plenamente conscientes do que estão reivindicando? Penso que não e as recentes manifestações no país dão prova disso, afinal, muitos dos que foram às ruas sequer sabiam a função do senado e da câmara. Generalizações são muito perigosas e no caso do Brasil, geralmente criam e alimentam estereótipos contra grupos menos favorecidos financeiramente.

3. SÃO EXEMPLOS DE LUTA DE CLASSES, SIM: algumas pessoas afirmaram e ainda afirmam que a luta de classes já não existe mais, principalmente após o fim da União Soviética e do suposto fracasso do socialismo aplicado. O conceito ultrapassa a localização geográfica e o tempo no qual foi elaborado. Devemos lembrar que não é a realidade que deve se adequar ao pensamento, mas o pensamento é que deve buscar dar conta da realidade e sabendo que nunca poderá dar conta de tudo pois a vida social é dinâmica e fugidia demais para ser cristalizada.

Temos uma classe social, a dos "assalariados" e seus filhos e filhas que também são alcançadxs pelas propagandas oferecendo a beleza, a sedução, a auto-estima através de tais ou quais produtos. Pense: se te oferecem um produto que dá a entender que te fará mais bela/o, divertida/o, inteligente e você decide adquirir essas supostas qualidades e sabe que é no shopping que elas estão, para onde você vai para obtê-las? Provavelmente não será na feira perto de sua residência - sabendo que as versões desses produtos são de origem duvidosa, "falsiê" como se dizia outrora, a feira não será o local para comprá-los. Você irá para o shopping que te dá a suposta certeza que eles são "originais".

A classe social que frequenta, historicamente, os shoppings como cobiçadora e eventualmente compradora acreditava na suposta exclusividade de acesso, mas a ampliação do poder aquisitivo fez com que aquelas pessoas que antes apenas trabalhavam nesses "templos" também pudessem adquirir os bens com os quais trabalhavam.

Esse é o aspecto da luta de classes que ultrapassa a visão clássica de enfrentamento por questões trabalhistas, salariais. As classes que lutam hoje o fazem por espaços, pelo direito de ir e vir - e permanecer nos locais públicos. No caso dos shoppings, tem-se uma mescla de público e privado e a questão que aparece é: qual o papel do Estado nessa situação? Em que medida a proteção da propriedade privada a ser vendida é função do Estado? Mais ainda: deve o Estado legislar sobre a entrada e permanência dos "rolezeiros" em shoppings?

4. NÃO SÃO UMA GERAÇÃO PERDIDA: para tratar desse ponto, farei uma pergunta: você, aos doze anos gostava de ter doze anos? Provavelmente, não. Há muita gente compartilhando mensagens que trazem essa argumentação. Será difícil, talvez impossível encontrar alguma criança ou jovem que, ao acordar, tenha afirmado com toda alegria: - como sou feliz por ser criança! Como sou feliz por ser adolescente!

Essa é uma construção discursiva posterior. É também um exemplo do choque de gerações, uma vez que a geração estabelecida vê a geração nova como degenerada, "perdida". Exemplo disso é o início de frase clássico: "no meu tempo..." A resposta para essa afirmação é: no seu tempo você era vista/o como irresponsável e afins. E tem-se um outro questionamento: como cobrar de jovens entre dez e vinte e dois anos uma consciência crítica capaz de analisar a situação na qual se encontra? Mesmo as pessoas que são, em teoria, críticas, provavelmente não desenvolveram tal nível de criticidade de uma hora para outra.

Nessa perspectiva insere-se a função da escola, mas essa, sendo aparelho ideológico do Estado (é Althusser, sim e não está ultrapassado pois serve para entendimentos da situação social vigente), dificilmente (e no Brasil parece-me mais ainda) cumprirá um de seus - em teoria - papeis: desenvolver a capacidade de problematizar a realidade e poder agir sobre esta.

Por isso os rolezinhos nas bibliotecas dificilmente acontecerão. Falta algum tanto de vontade política para criação de condições e manutenção destas para formação de seres pensantes e, além da vontade política, há a vontade pessoal de muitas/os professoras/es, mais do que mal pagos, pessoalmente descrentes da efetividade de sua função (não é regra geral, mas muitas/os professoras/es ainda se mantém no ofício por não crerem-se capazes de fazer ou aprender outras coisas ou realizar, por exemplo, o sonho de serem médicas/os etc.).

5. A REAÇÃO AOS ROLEZINHOS É UMA MOSTRA DO QUANTO TRATAMOS MAL NOSSAS CRIANÇAS E JOVENS: muito bem, faço agora uso de uma citação de C. W. Mills acerca da imaginação sociológica:

Quando, numa cidade de cem mil habitantes, somente um homem está desempregado, isso é seu problema pessoal, e, para sua solução examinamos adequadamente o caráter do homem, suas habilidades e suas oportunidades imediatas. Mas quando, numa nação de 50 milhões de empregados, 15 milhões de homens não encontram trabalho, isso é uma questão pública, e não podemos esperar sua solução dentro das escalas de oportunidades abertas às pessoas individualmente. A estrutura mesma das oportunidades entrou em colapso. Tanto a formulação exata do problema como a gama de soluções possíveis exigem que consideremos as instituições econômicas e políticas da sociedade,  não apenas a situação pessoal e o caráter de um punhado de indivíduos."

(MILLS, Charles Wright. A imaginação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1965.)

A imaginação sociológica possibilita enxergar além do que a vista alcança, superando o senso comum e buscando as relações, estas fundamentais para a resolução das questões sociais como os rolezinhos, a homofobia, a transfobia, o racismo, o sexismo etc.

Os rolezinhos são uma resposta daquelas classes sociais à estratificação social vigente (lembrando que estratificação social é a forma com a qual a sociedade hierarquiza os grupos a partir do conjunto de fatores - economia, cultura). Essa resposta foi construída historicamente, em um cotidiano segregacionista que se intensificou com o processo de globalização. A falta de políticas de Estado direcionadas para a juventude brasileira amplia as repercussões da miséria produzida pelo sistema capitalista e traz, ainda, uma faca de dois gumes: a partir do momento em que o Estado passa a investir em espaços para o público que forma os rolezinhos, ao mesmo tempo afirma a fronteira que não deve ser ultrapassada por esses grupos. É bom, mas é ruim também. Garante espaços de lazer, mas também aparta de outros espaços que também são de direito de locomoção deles.

O que fazer, então? Esse é o desafio e que todas/os deveriam participar do debate, pois enquanto forem efetivadas soluções paliativas, estas serão pseudorresoluções.

Enquanto o foco dos olhares acerca dos rolezinhos for as perturbações geradas no fim de semana das classes sociais que frequentam os shoppings, enquanto se repetirem afirmações de que essa geração está perdida, formar-se-ão ilhas cercadas de pessoas que saíram da letargia de apenas produtores e se entenderam como consumidores e que reivindicam o direito de também serem "zumbis" consumistas. Um pouco de conhecimento em Geografia pode ajudar a fazer a relação: cedo ou tarde, ilhas são cobertas pela água circundante.

Pense FORA DA CAIXA.

Tenha HISTÓRIA NA CABEÇA.


terça-feira, 14 de janeiro de 2014

SOBRE OS ROLEZINHOS

Quando os pobres apenas trabalhavam e pagavam as contas e protestavam através do rap e compravam roupas nas feiras ou nas lojas nos bairros, não havia problemas.


Com a ampliação do poder de compra da classe identificada por Karl Marx como força de trabalho e ela passou a consumir não apenas para sobreviver mas também para "ostentar" e esse consumo atrelou-se também a diversão de fim-de-semana de passear no shopping, então soou o sinal de alerta:

"QUEM SÃO ESSES QUE QUEREM ROUBAR MEU DIREITO DE CONSUMIR?!"

Mais ainda: "QUEM ELES PENSAM QUE SÃO PARA OUSAREM OCUPAR O ESPAÇO QUE É MEU E DA MINHA FAMÍLIA?!"

PROBLEMATIZANDO:

O capital precisa se expandir para a própria sobrevivência e aqui aparece a contradição: os tradicionalmente excluídos do consumo das marcas criadas para diferenciação social, agora podem consumir também e entenderam que podem usufruir do mundo que o trabalho de seus pais ergueu (e o deles também, considerando que muitos dos que fazem o rolezinho são jovens trabalhadores), querem participar do mundo que antes era apenas assistido nas televisões.

A reação inicial é de repulsa por parte de quem estava apenas a ver "pobres" em programas domingueiros querendo voltar para a terra de onde partiram ou numa suposta democracia "esquenta" de ritmos.

Possibilidades:

1. recrudescer a repulsa, estabelecendo leis contra rolezinhos e agrupamentos de "suspeitos" (lembrando que historicamente os "suspeitos" têm características afrodescendentes) - o que já está acontecendo;

2. iniciar um processo de transformação na própria estrutura excludente do modo de produção capitalista (duvido que essa seja uma possibilidade real)

3. o capital encontrar uma maneira de agregar esses grupos, considerando que são consumidores também. Recém chegados ao mundo dos que podem pagar pela "ostentação", mas, ainda assim, consumidores - considere que há algum tempo a população afrodescendente sequer tinha produtos adequados para seu tipo de cabelo, tipo de pele e afins; pessoas acima do peso também e pessoas com idade avançada, idem. Se passou a gerar renda, haverá uma forma de usufruir disso.


Alguém que lê este texto pode já ter pensado: "mas é muito fácil dizer isso! E aqueles que foram pegos depredando ou ainda tentando mesmo roubar alguém?"

Essa situação não deve ser negada, mas pense da seguinte maneira: qual movimentação não tem aquelxs que destoam do grupo maior? 

Mais do que tratar da aceitação ou não dos rolezinhos, as reações contra o fato maior que é a entrada desses grupos nos shoppings revela a separação criada pelo capital e que ultrapassa a dicotomia força de trabalho X donos dos meios de trabalho, chegando ao ponto de divisão de níveis de consumidor: nível A, consumidor nível B, consumidor nível C e assim por diante.


Entendamos nível da seguinte maneira: nível A pode comprar os artigos mais caros, nível B os artigos intermediários, nível C, se esforçam para comprar os artigos nível B e assim continuando com variações.

Antes de gritar aos quatro ventos que deve-se evitar os rolezinhos, vamos pensar na estrutura maior.

PENSE NISSO ANTES DE POSTAR IMAGENS OU VÍDEOS APLAUDINDO ABUSO DE PODER CONTRA GRUPOS QUE TAMBÉM TÊM O DIREITO DE PASSEAR EM SHOPPINGS E APENAS OLHAR VITRINES, ASSIM COMO MUITAS VEZES MUITAS PESSOAS DE PELE MENOS ESCURA FIZERAM.

PENSE FORA DA CAIXA.

Tenha HISTÓRIA NA CABEÇA.

Para ajudar a PENSAR FORA DA CAIXA: