Menu Superior Horizontal

  • E
  • D
  • C
  • B
  • A

ARTIGOS

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

RESUMO II GUERRA MUNDIAL 1939-45

A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL foi iniciada nesse contexto: ideias de socialização e de destruição das desigualdades sociais e explorações, crise econômica (elevando a atração por ideias revolucionárias de governo que garantissem a alimentação de todos).
            Na Alemanha, a medida que Adolf Hitler concretizava suas ambições territoriais, muitos judeus, testemunhas de Jeová, pessoas com algum tipo de deficiência eram enviadas a campos de concentração. As nações europeias que poderiam impedir essas ações, nada faziam. A política de apaziguamento – conceder para evitar conflitos – fortaleceu as ambições nazistas.
            Em 1935, o Sarre, a Renânia em 1936, 1938 foi a vez da Áustria (Anschluss) e da Tchecoslováquia (através do tratado de Munique) e em 1939 foi a vez da Polônia. A invasão da Polônia foi o estopim do conflito. Dois dias depois da investida, a Inglaterra e a França declararam guerra ao alemães. Começava o segundo conflito mundial.
            Antes de invadir a Polônia, os alemães firmaram com os soviéticos o Pacto Germânico-Soviético de não agressão, que garantia para a Alemanha a parte ocidental do território polonês e para os soviéticos a parte oriental polonesa e a Finlândia. Vale salientar o espanto que tal pacto causou, uma vez que Hitler proclamava o anticomunismo.
            O avanço das forças do EIXO (Japão, Itália e Alemanha) espantou o mundo. Através de ataques rápidos em varias frentes (blitzkrieg), os alemães invadiram e dominaram a Dinamarca, a Noruega, a Holanda e, em junho de 1940, a França foi invadida e o mal. Petáin assinou a rendição. Entretanto, no sul francês a resistência se configurou.
            Após o ataque a França, o alvo alemão foi a Inglaterra. Em um dos momentos mais importantes do conflito a Luftwaffe enfrentou a Royal Air Force britânica, saindo esta vitoriosa.
            A situação começou a mudar quando, em 1941, a Alemanha decidiu atacar a URSS e os japoneses atacaram Pearl Harbor. Neste caso, forçou-se a entrada dos EUA no conflito. No primeiro, começava a derrota alemã.
            A batalha de Stalingrado foi o ponto de partida para a derrota do Eixo. Utilizando a tática da terra arrasada e contando com o inverno russo, os soviéticos rechaçaram os alemães. Nesse ínterim, aconteceu a Conferência de Teerã, na qual se decidiu pelo ataque a Normandia. Era o DIA D.  Três frentes de combate ao Eixo: a já citada Normandia, do Mediterrâneo pela Itália até Berlim e da URSS até a capital alemã.
            A França foi libertada em 1944. A rendição alemã foi assinada em 1945 por Karl Donitz, almirante nomeado por Hitler para comandar a Alemanha. O Fuhrer cometera suicídio no dia 30 de abril daquele ano juntamente com a Eva Braun, ex-amante com quem se casara antes de tirar a própria vida.
            A vitória na frente ocidental fora conseguida, mas ainda restava a frente oriental. EUA e Japão se enfrentavam e os japoneses utilizavam ataques suicidas, os kamikazes, na tentativa de vencer as forças estadunidenses. Mesmo com a vitória praticamente certa, uma vez que os japoneses não agüentariam por mais tempo, foi lançada uma bomba atômica na cidade de Hiroshima, fato que desestabilizou grandemente o país do derrotado Eixo. Três dias depois e outra bomba, desta vez na cidade de Nagasaki. Conseguia-se, assim, a rendição incondicional do inimigo. Era o fim da segunda guerra mundial.


            Algumas conferências foram realizadas para a elaboração dos acordos de paz. A Conferência de Teerã preparou o ataque a Normandia e garantiu que a Letônia, Lituânia, Estônia mais a parte sul da Polônia ficariam com a URSS. A conferência de Yalta lançou as bases de discussão da ONU e dividiu o mundo em áreas de influência entre os EUA e a URSS. Esta ficaria com a Europa oriental e parte da Coreia, dividindo esta com o tio Sam. A conferência de Postdam criou o tribunal de Nuremberg para julgar os crimes cometidos pelos nazistas, fixou o débito alemão e garantiu para a Polônia a cessão do Dantzig. 

Pense FORA DA CAIXA.
Tenha HISTÓRIA NA CABEÇA.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário