Menu Superior Horizontal

  • E
  • D
  • C
  • B
  • A

ARTIGOS

terça-feira, 26 de novembro de 2013

RESUMO ESTADO MODERNO / TEÓRICOS DO ABSOLUTISMO

AS CRISES DO FEUDALISMO
A população européia, entre os séculos XI e XIV, cresceu consideravelmente e nesse crescimento a população de nobres se inseria aumentando suas regalias e pressionando os que produziam – os camponeses. Essa opressão gerou insatisfação e revoltas por partes dos trabalhadores que fugiam, muitos deles, para as cidades. Junto a isso, o clima europeu sofreu alterações e chuvas em excesso prejudicaram as colheitas. Com a escassez de alimentos veio a carestia e com esta a fome. No século XIV, o cenário estava preparado para a Peste Negra, epidemia que aniquilou aproximadamente 1/3 da população européia que estava deveras mal-alimentada.
                Assim, rebeliões ameaçavam tanto a tradicional nobreza quanto a emergente burguesia. Ambas necessitavam de uma autoridade que impusesse a paz. Essa autoridade era o rei, que unificaria politicamente os feudos sob sua autoridade, gerando os Estados Nacionais e acabando com a descentralização herdada do período medieval.

O ESTADO MODERNO
O Estado Moderno, ou Estado Nacional caracterizava-se pelos seguintes pontos:
- centralização do poder político
- surgimento de uma burocracia
- formação de um exército nacional
- fortalecimento da justiça real
- arrecadação de impostos devidos ao rei
- unificação monetária
- eliminação da autonomia das cidades

Estas mudanças contaram com indivíduos que pensaram na melhor maneira de governar; os teóricos do absolutismo concordavam em alguns pontos e divergiam noutros. Vamos observar suas idéias de maneira geral.

TEÓRICOS DO ABSOLUTISMO
Nicolau Maquiavel 1469-1527

- secretário florentino
- obra: O Príncipe
- obrigação maior do governante: segurança para o reino
- ser temido é mais seguro
- reputação é interessante para o Estado
- moral X política: separação
- religião: é interessante apenas para manter a grandeza do Estado
- política externa: exército pronto para a guerra; uso de astúcia e fraude
- política em primeiro lugar: fundação, conservação e ampliação do Estado

Thomas Hobbes 1588-1679

- obra: O Leviatã
- pacto de transferência: cada um autoriza a pessoa a governá-la se todos os outros o fizerem
- relação proteção e obediência: os súditos obedecem enquanto forem protegidos, o que legitima a subserviência ao rei que vence outro
- o rei é maior legislador de todos
- direito de violar a propriedade em caso de ameaça externa
- lei, propriedade, opiniões, doutrinas e religião: controle total do soberano

Jean Bodin 1530-1596

- obra: A república
- confronto com Maquiavel: o soberano bem do Estado não está separado do soberano bem do indivíduo
- soberania é perpétua: exercida durante toda a vida sem delegação a terceiros
- soberania é absoluta: o rei não é afetado por leis anteriores e nem dele
- três tipos de governo: monarquia, aristocracia e democracia

- limite à soberania do chefe de Estado: direito de propriedade dos súditos

Pense FORA DA CAIXA.
Tenha HISTÓRIA NA CABEÇA.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário