Menu Superior Horizontal

  • E
  • D
  • C
  • B
  • A

Acesse aqui!

Entre em contato pelo Facebook ou Twitter.

Assista aqui!!!

Assista a filmes históricos clicando aqui!!

Fichas monstro!!!

Faça o download das Fichas Monstro clicando na barra de menu!!

Fale com o Prof. Salviano Feitoza

Clique aqui e saiba informações importantes sobre o Prof. Salviano Feitoza

ARTIGOS

sábado, 30 de novembro de 2013

RESUMO SEGUNDO IMPÉRIO BRASILEIRO 1840-1889



Foi marcado politicamente pela disputa entre o grupo dos políticos liberais e dos conservadores, que na prática apenas se interessavam pela ocupação dos cargos políticos.
As eleições do período eram conhecidas como eleições do cacete, devido a violência e fraude constantes.
O governo de D. Pedro II foi marcado também pelo parlamentarismo às avessas: o primeiro-ministro era escolhido pelo imperador, mas não possuía total liberdade para atuar, uma vez que ainda existia o poder moderador, que tornava possível a dissolução do poder legislativo quando o monarca bem quisesse.
A disputa entre liberais e conservadores só foi amenizada no período entre 1854 e 1868, no qual eles governavam juntos através de acordos políticos. Era a chamada era da conciliação

A PRAIEIRA – 1848
Foi a última manifestação das instabilidades políticas do Império.
O Partido da Praia divulgava suas idéias através do jornal Diário do Povo.
O estopim da revolta foi a nomeação de Herculano Ferreira Pena para o governo de Pernambuco no lugar de Chichorro da Gama.
Os praieiros divulgaram seus planos através do Manifesto ao Mundo:
                               a. voto livre para todo brasileiro
                               b. liberdade de imprensa
                               c. fim do poder moderador
                               d. garantia de trabalho para todo brasileiro

Guerra contra o Paraguai 1865-70
A guerra contra o Paraguai tem algumas explicações e bastantes polêmicas: a mais estabelecida é a que firma que o modelo de desenvolvimento paraguaio desagradava ao capitalismo inglês.
                O estopim da guerra, para o Brasil, foi o aprisionamento do navio Marquês de Olinda que navegava próximo a Assunção.
As principais conseqüências para o Brasil:
                               a. desmantelamento econômico
                               b. dependência, para defesa do território, dos militares, até então considerados uma categoria secundária em face do elemento civil

ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA
                As pressões inglesas e a expansão do capitalismo foram fatores relevantes para o processo de abolição da escravatura no Brasil
                - as leis:
                               a. Bill Aberdeen – 1845
                               b. Eusébio de Queiroz – 1850
                               c. Ventre Livre – 1871
                               d. lei dos Sexagenários – 1885
                               e. lei Áurea – 1888

CRISE DA MONARQUIA
                Resultou de várias questões:
                               a. abolicionista. Antigos senhores de escravos passaram a apoiar a república após a abolição
                              
b. republicana. A partir de 1870, o republicanismo ficou mais forte e com formação mais sólida; foi lançado o Manifesto Republicano
                               c. militar. Foi o conjunto de divergências ocorridas entre o exército e o governo. Não aconteceu de uma hora para outra, sendo parte do processo de mudanças políticas que se configurava no Brasil desde o fim da guerra contra o Paraguai. Após o fim desta, parte das forças militares foi desmobilizada, ficando o exército com aproximadamente 15 mil membros. Deve-se considerar que mesmo tendo realizado feitos supostamente heroicos, os militares não tinham direito de participar politicamente do Estado imperial. Não havia, também, uma política de aperfeiçoamento e os ressentimentos se acumulavam.
                               A tensão se intensificou a partir de 1886, quando, no Piauí, um oficial foi censurado pelo coronel Cunha Matos por ter cometido uma falha de rotina. Simplício de Resende, deputado, defendeu o oficial, atacando o coronel. Este, por sua vez, afirmou que a culpa era do ministro da guerra, Alfredo Chaves, que o puniu com prisão por 48 horas.
                               Pouco depois, no mesmo ano, outro coronel, Sena Madureira, fez manifestações pró-abolicionismo e foi censurado por um senador, Franco de Sá. Sena Madureira respondeu através do jornal e foi punido pelo ministro da guerra.
                A tensão entre governo e exército se intensificou quando o marechal Deodoro da Fonseca criticou o ministro da guerra por censurar um militar que era, antes de tudo, um cidadão. Os políticos liberais enxergaram a possibilidade de atingir o gabinete do Barão de Cotegipe e apoiaram as críticas militares ao Estado imperial.
                Foi fundado o Clube Militar, com a presidência do mal. Deodoro da Fonseca. Através do clube expressavam seus pontos de vista e atraíam olhares de insatisfação do poder imperial. Pequenos incidentes aconteceram ampliando a tensão e intensificando o desejo dos militares de participar da vida pública afastando os civis dos postos de donos do destino da nação.
                                                         

d. religiosa. A partir de uma proibição de D. Pedro II de permitir que D. Vidal e D. Macedo, bispos de Olinda e de Belém, respectivamente, punissem irmandades religiosas que apoiavam maçons, o império foi perdendo gradativamente o apoio de setores da Igreja Católica. Os bispos foram presos e libertados posteriormente, todavia, o estrago na popularidade de imperador já estava feito.
                Percebendo a situação, o imperador realizou algumas reformas:
                               a. liberdade de credo
                               b. autonomia provincial
                               c. fim da vitaliciedade do senado
                               d. liberdade de ensino e seu aperfeiçoamento
                Em 15 de novembro de 1889, o marechal Deodoro da Fonseca comandou uma tropa de soldados que depôs o gabinete Ouro Preto, formando a República dos Estados Unidos do Brasil e encerrando o II Império brasileiro.

ECONOMIA
                As transformações:
                               a. mudanças no eixo econômico das regiões agrícolas do nordeste para áreas do centro-sul
                               b. desenvolvimento de um novo gênero: o café
                - a produção de café dividiu-se em dois setores:
                               a. tradicional. Assim chamado por utilizar mão-de-obra escrava. Localizado no vale do Paraíba e na Baixada Fluminense.
                               b. moderno. Utilizou mão-de-obra imigrante européia e estava localizada no oeste paulista; contou com a terra roxa, altamente fértil. Os imigrantes eram trazidos através do sistema de parceira, em que os europeus dividiriam as despesas da viagem com os fazendeiros e trabalhariam, até pagá-las. Na prática isso não acontecia: o regime de trabalho muito se assemelhava ao escravo. O senador Nicolau de Campos Vergueiro foi o primeiro agricultor a trazer estrangeiros para o Brasil nesse regime de trabalho (entre 1847 e 1857).

Pense FORA DA CAIXA.
Tenha HISTÓRIA NA CABEÇA.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

RESUMO ESTADO MODERNO / TEÓRICOS DO ABSOLUTISMO

AS CRISES DO FEUDALISMO
A população européia, entre os séculos XI e XIV, cresceu consideravelmente e nesse crescimento a população de nobres se inseria aumentando suas regalias e pressionando os que produziam – os camponeses. Essa opressão gerou insatisfação e revoltas por partes dos trabalhadores que fugiam, muitos deles, para as cidades. Junto a isso, o clima europeu sofreu alterações e chuvas em excesso prejudicaram as colheitas. Com a escassez de alimentos veio a carestia e com esta a fome. No século XIV, o cenário estava preparado para a Peste Negra, epidemia que aniquilou aproximadamente 1/3 da população européia que estava deveras mal-alimentada.
                Assim, rebeliões ameaçavam tanto a tradicional nobreza quanto a emergente burguesia. Ambas necessitavam de uma autoridade que impusesse a paz. Essa autoridade era o rei, que unificaria politicamente os feudos sob sua autoridade, gerando os Estados Nacionais e acabando com a descentralização herdada do período medieval.

O ESTADO MODERNO
O Estado Moderno, ou Estado Nacional caracterizava-se pelos seguintes pontos:
- centralização do poder político
- surgimento de uma burocracia
- formação de um exército nacional
- fortalecimento da justiça real
- arrecadação de impostos devidos ao rei
- unificação monetária
- eliminação da autonomia das cidades

Estas mudanças contaram com indivíduos que pensaram na melhor maneira de governar; os teóricos do absolutismo concordavam em alguns pontos e divergiam noutros. Vamos observar suas idéias de maneira geral.

TEÓRICOS DO ABSOLUTISMO
Nicolau Maquiavel 1469-1527

- secretário florentino
- obra: O Príncipe
- obrigação maior do governante: segurança para o reino
- ser temido é mais seguro
- reputação é interessante para o Estado
- moral X política: separação
- religião: é interessante apenas para manter a grandeza do Estado
- política externa: exército pronto para a guerra; uso de astúcia e fraude
- política em primeiro lugar: fundação, conservação e ampliação do Estado

Thomas Hobbes 1588-1679

- obra: O Leviatã
- pacto de transferência: cada um autoriza a pessoa a governá-la se todos os outros o fizerem
- relação proteção e obediência: os súditos obedecem enquanto forem protegidos, o que legitima a subserviência ao rei que vence outro
- o rei é maior legislador de todos
- direito de violar a propriedade em caso de ameaça externa
- lei, propriedade, opiniões, doutrinas e religião: controle total do soberano

Jean Bodin 1530-1596

- obra: A república
- confronto com Maquiavel: o soberano bem do Estado não está separado do soberano bem do indivíduo
- soberania é perpétua: exercida durante toda a vida sem delegação a terceiros
- soberania é absoluta: o rei não é afetado por leis anteriores e nem dele
- três tipos de governo: monarquia, aristocracia e democracia

- limite à soberania do chefe de Estado: direito de propriedade dos súditos

Pense FORA DA CAIXA.
Tenha HISTÓRIA NA CABEÇA.

domingo, 24 de novembro de 2013

RESUMO CULTURA SÉCULO XIX & XX

CULTURA SÉCULO XIX & XX





O Século XIX deve ser lembrado pelo desenvolvimento científico. Tal desenvolvimento relacionou-se principalmente com a medicina, a biologia, as ciências físicas e naturais.

O impressionismo é considerado o último movimento de renovação artística antes da polêmica arte do século XX deslanchar. Os movimentos listados abaixo, na pintura, após o impressionismo devem ser entendidos como movimentos do século XX. Atente também para os períodos da História da música, identificando os que se relacionam com o século XIX e o XX. 

Nas ciências físicas:

1. Casal Curie descobriu o rádio
2. Hertz descobriu que as oscilações elétricas se propagam através de ondas

No início do século XX, Albert Einstein desenvolveu a teoria da relatividade

Nas ciências naturais:

CIENTISTAS
REALIZAÇÕES
Lamarck
Lei do uso e desuso
Gregor Mendell
Os primeiros conceitos de genética realizando experiências com ervilhas
Charles Darwin
Teoria da evolução, na obra A Evolução das Espécies

ARQUITETURA

Art Noveau – desenvolvida na França e caracterizava-se por ornamentações arquitetônicas com inspirações vegetais
Concreto armado – inventado por Joseph Monnier EM 1848. Usado na construção de arranha céus.

PINTURA

Impressionismo.
a) luz, elemento fundamental.
b) pintura ao ar livre
c) o olhar do observador combinaria as cores
d) representantes:
            - Edouard Manet: precursor
            - Pierre Auguste RENOIR
            - Edgar DEGAS
            - Camile PISSARRO
            - Paul CÉZANNE

Expressionismo. Alemanha (1910)
a) importância da Expressão
b) não importam os conceitos de feio e belo
c) destaque na pintura
d) representantes:
            - Van Gogh
            - Cézanne
            - Gauguin
- A Morte em Dresden, de Wilhelm Lachnit

Dadaísmo.
a) negação do passado, presente e futuro
b) total falta de perspectiva diante da I guerra
c) contra teorias, ordenações, lógicas
d) contra o capitalismo burguês
e) iniciador: Tristan Tzara (1896-1963)
f)  a palavra DADÁ foi escolhida ao acaso

Cubismo.
a. valorização das formas geométricas
b. várias formas de representar a profundidade do plano
c. NA LITERATURA: preocupação com o texto, invenção de palavras; fim das sintaxes; versos livres, sem rimas ou estrofes.
d. representante:
            - Pablo Picasso

Futurismo.
a. destruição do passado, exaltação do futuro
b. exaltação da vida moderna, da eletricidade, do automóvel, da velocidade, da guerra (única higiene do mundo)
c. demolição de museus, bibliotecas, do moralismo, do feminismo
d. representante maior: Marinetti – aderiu ao fascismo de Benito Mussolini (tal adesão levou a repulsão de suas ideias por alguns no Brasil)
e. manifestos:
            - primeiro, em 20/02/1909
            - Manifesto Técnico da Literatura Futurista: destruição da sintaxe, uso de símbolos matemáticos e musicais; desprezo pelos adjetivos, advérbios e pontuação.

Surrealismo.
a. inspiração freudiana
b. pensamento livre de qualquer controle da razão
c. esteve próximo da esquerda, menos Salvador Dalí, que apoiou Francisco Franco, na Espanha
d. Manifesto do Surrealismo (1924), com André Breton
e. ARTES PLÁSTICAS:
            - Salvador Dalí
            - Max Ernst
            - Man Ray
            - René Magritte
            - Chirico
f. CINEMA:
            - Luís Buñuel: Um cão Andaluz (1928); A idade de ouro (1931)


MÚSICA


1. Clássica – compostas entre 1751 e 1810.
Caracteriza-se por ser mais leve e menos complicada que a romântica. Dá-se mais importância para a música instrumental que a vocal. As sinfonias são exemplos disso.

Haydn, Mozart e Beethoven são os maiores compositores de sinfonias do classicismo.

Os principais compositores clássicos foram:

Carl P. E. Bach 1714 – 1788;
Gluck    1714 – 1787;
Hayden 1732 - 1809                                         
W. A. Mozart 1756 - 1791                                      
Ludwig Van Beethoven 1770 - 1827                      
Joaquim A. de Mesquita -1746/1805        
Padre José Maurício N. Garcia - 1767/1830     
Antonio Soler Ramos - 1729/1783            
Muzio Clemente- 1729/1783

2. Romântica –
Os compositores românticos caracterizaram-se por buscar mais liberdade no que diz respeito à forma. Buscavam inspiração em obras da  literatura e pintura. Terras exóticas, exaltação do passado, o amor também inspiraram os compositores românticos. Houve emprego de dissonâncias.
Floresceu a canção com o uso do piano e seus principais representantes foram: Schubert, Verdi, Rossini e na Alemanha, Wagner. No Brasil, Antonio Carlos Gomes e O Guarani.
Os principais representantes do romantismo foram:
Principais compositores Românticos

Gustav Mahler - 1860/1911;
Moritz Moszkowki - 1854/1925;
 Geuseppe Verdi - 1813/1901;
Sergei V. Rachmaninov - 1873/1943;
Louis Hector Berlioz - 1803/1869;
F.Schubert 1797 – 1828;
F. Mendelssohn 1809 – 1847;
F. Chopin 1810 – 1849;
R. Schumann 1810 – 1856;
F.Liszt 1811 - 1886
R. Wagner 1813 – 1883;
J. Brahms 1838 – 1897;
Tchaikovsky 1840 – 1893

3. Moderna (ou do século XX)
Foi marcada por novas experiências e uma reação contra os românticos.

Principais compositores do século XX:

Igor Stravinsky - 1882/1971     
Cláudio Santoro - 1919/1989   
Sergei Prokofiev- 1891/1953                       
Marlo Nobre de Almeida - 1939/                               
Francisco Mignone - 1897/1986                                 
Edino Krieger                                                         
Cézar Guerra Peixe - 1914/1993                               
Radamés Gnatalli - 1906/1988                         
Alberto Evaristo Ginatera - 1919/1983                        
Oscar Lorenzo Fernandez - 1897/1948                      
C. Debussy 1862 - 1918                                            
Schoenberg 1874 - 1951 1951
M. Ravel 1875 -1937 -                                          
B. Bartók 1881 - 1945
A. Berg 1885 - 1945                                                      
H. Villa- Lobos 1887 - 1959

LITERATURA

Caracterizou-se, no século XIX pela democratização e pela diminuição do predomínio artístico francês.

Períodos:
1.    Romântico (fim das guerras napoleônicas aos meados do século XIX)
2.    Realista (aprox. 1880)
3.    Simbolista (primeiros anos do séc. XX)

ROMANTISMO
1.    França
-          Victor Hugo – Os Miseráveis
-          Sthendal (Henry Beyle) – O Vermelho e o Negro
-          Honoré de Balzac – A Comédia Humana

2. Inglaterra
-          Lord Byron – Manfred
-          Walter Scott – Ivanhoé

3. Alemanha
-          Johann Goethe – Fausto
-          Friedrich von Schiller – Maria Stuart

REALISMO
1.    França
-          Gustave FlaubertMadame Bovary
-          Émile ZolaGerminal

2. Inglaterra
-          Charles DickensTempos Difíceis

3. Rússia
-          Leon TolstóiGuerra e Paz
-          F. DostoiévskiCrime e Castigo

No século XX, a literatura teve nomes de destaques, como:

- James Joyce, com a obra Ulisses, adaptação da Odisseia de Homero – um dia na vida de Leopold Bloom;

- Marcel Proust, com Em Busca Do Tempo Perdido, busca alcançar a substância do tempo para poder se subtrair de sua lei, a fim de tentar apreender, pela escrita, a essência de uma realidade escondida no inconsciente “recriada pelo nosso pensamento.

- Franz Kafka, com obras como O Processo; A Metamorfose e O Castelo.

- Thomas Mann, com os livros A Montanha Mágica e Doutor Fausto.